Menos de 100 empresas da Zona Franca de Manaus adotam ISO 14000

18/07/2011 16:01

A relação das empresas com a natureza vem mudando gradativamente em todo o mundo. Preservar, proteger, prevenir a degradação do meio ambiente deixou de ser discurso e tornou-se prática no dia-a-dia de muitas fábricas. Qualidade do produto, segurança no trabalho e os cuidados com o meio ambiente somam prestígio com o consumidor final e pontos extras para transações comerciais. Resumindo: prevenir a degradação do meio ambiente é sinônimo de bons negócios. 

Infelizmente, menos de 100 empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM), que concentra mais de 600 indústrias, aderiram a ISO 14001, que trata especificamente do meio ambiente e é um complemento importante da ISO 9001, obrigatória para as empresas que querem se beneficiar com os incentivos da Zona Franca de Manaus.

Quem aderiu a ISO 14001 não se arrepende. Na empresa Mussachi da Amazônia LTDA que fabrica componentes para a Moto Honda, a ISO 14001 gera pontos importantes para aquisição de novas encomendas. “A Moto Honta tem um ranking de seus fornecedores e os que implantaram a ISO 14001 ganham uma pontuação gigantesca, o que garante o repasse de novos produtos”, detalha Dagno de Brito, supervisor de Sistema de Gestão Integrada da Mussachi.

Muito mais que bons negócios, a ISO 14001 exige uma mudança de comportamento de centenas de trabalhadores que levam para suas casas o aprendizado recebido no trabalho. Durante uma semana, os colaboradores contratados pelas empresas com certificação ISO 14001, desde o servente até o gerente, recebem aulas sobre quais os danos que os materiais utilizados dentro da fábrica, causam a natureza quando não reciclados ou tratados devidamente. “Nossa principal preocupação é com a emissão de CO2 na atmosfera. Emitimos 0,35 de CO2 na atmosfera por mês”, orgulha-se Dagno.

Quem imagina que prevenir impactos ambientais é complicado, se engana. Prevenir a poluição é muito mais barato que despoluir e minimiza o passivo ambiental, destaca Dagno ao falar da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

“Estamos na Amazônia e temos que cuidar de nosso patrimônio. Temos uma estação de tratamento de toda água utilizada pela Mussachi e somos e fiscalizados a cada três meses pelo Ipaam. Nossos resíduos vão para fábricas de reciclagem em Manaus e São Paulo e nossos colaboradores sabem exatamente o que tem que fazer com o lixo que produzem, exercitando a coleta seletiva, a economia de energia e de materiais”, detalha Dagno.

As empresas que cumprem ou tentam seguir a legislação ambiental não encontram dificuldade em implantar a ISO 14001. Além da ISO 9001 que trata da qualidade do produto, da ISO 14001 que trata do meio ambiente, as empresas buscam agora a certificação OSAS 18000 que trata da segurança do trabalho.

origens

A ISO14001 tem sua origem na Conferência de Estocolmo, em 1972, que resultou no relatório intitulado “Our Comom Future” (“Nosso Futuro Comum”), quando foi feito um apelo às indústrias para o desenvolvimento e adoção de sistemas de gestão que levassem em conta as questões ambientais.

Então, a ISO, atendendo ao apelo, criou o TC 207 (Technical Commitee 207 on Environmental Management) em 1993, que ficou incumbido de desenvolver um sistema prático e aplicável a empresas de todos os portes em qualquer país. O TC207 criou alguns subcomitês e grupos de trabalho que ficaram responsáveis por elaborar documentos sobre temas como sistemas de gestão ambiental, auditorias em meio ambiente, avaliação de desempenho ambiental, gases de efeito estufa e atividades relacionadas, entre outros.

Assim, após um período de pesquisa compartilhada, foi publicada a primeira versão da ISO 14000 em 1996.

Fonte: A Crítica